retorna
  :: Artigo selecionado
  Possíveis acidentes causados por cocos na região central de Osasco (Calçadão) na visão das (ISO 9001, 14000 e NBR 16000)
08/07/2015
atualizado em: 10/07/2015

PEDRO LOBAS NETO
SP - CARAPICUIBA
Possíveis acidentes causados por uma arborização urbana errada e sua relação com uma possível certificação de normas de gestão, para avaliar os serviços prestados para mitigar (minimizar) o problema.

Área(s) de Atuação que o Presente Artigo trata
Biologia
Meio Ambiente e Biodiversidade
Gestão de Jardins Botânicos


SENAC

Possíveis acidentes causados por cocos na região central de Osasco (Calçadão) na visão de um Sistema de Gestão integrada (ISO 9001, 14001 e NBR 16000)

Pedro Lobas Neto

Osasco SP

2011

Resumo: A arborização urbana é de muita importância e ajuda, melhora o aspecto das cidades e melhora as condições do ar para o município, mas quando é feita de maneira errada pode causar transtornos aos munícipes como é o exemplo dos coqueiros do calçadão de Osasco, porém a cidade conseguiu minimizar os problemas evitando a queda dos cocôs com podas (coletas dos frutos) e agradar assim ainda a população. Com um Sistema Gestor Integrado podemos avaliar com as normas NBR ISO 9001, 14001 e NBR 16001 os serviços de arborização e poda.

Palavras chaves: Sistema Gestor Integrado, cocôs, podas e arborização.

Abstract: The urban forestry is of great importance and help to improve the appearance of cities and improve the air conditions for the city, but when done incorrectly can cause inconvenience to residents as is the case of the coconut trees of the Calçadão de Osasco, but city has managed to minimize the problems of avoiding the drop turds with pruning (collections of fruit) and please even the population as well.

With an Integrated System Manager can assess the standards NBR ISO 9001, 14001 and NBR 16001 services tree planting and pruning.

Keywords: Integrated System Manager, coconut, tree planting and pruning.

Lista de Abreviaturas e Siglas

CPFL- Companhia Piratininga de Força e Luz

IPEF- Instituto Paulista de Estudos Florestais NBR- Norma Brasileira Regulamentadora

ABNT- Associação Brasileira ISO- Organização Internacional para Padronização

DAV- Departamento de Áreas Verdes

SEMA- Secretaria do Meio Ambiente

Introdução

Arborização consciente é a idéia de uma arborização consciente dentro do pensamento de gestão é uma situação atual são criados cursos e manuais para que isso ocorra. Para este trabalho foi utilizado os manuais, são o da CPFL e o do IPEF que dará um respaldo, junto com as normas NBR ISO 9001, 14001e NBR 16001.

A arborização segundo o manual da CPFL; A presença das árvores nas cidades interfere no lado psíquico do homem, atenuando o sentimento de opressão. Pelo fato de possuírem uma enorme diversidade de formas, de cores e de tonalidades, as várias espécies de árvores proporcionam sensações de bem-estar, de felicidade e de alegria. Bem localizadas, as árvores organizam os espaços urbanos e, por sua magnitude, transformam-se em pontos de referência à movimentação humana. São notáveis e perceptíveis os efeitos favoráveis que os vegetais superiores, especialmente as árvores, proporcionam ao ambiente, renovando o oxigênio do ar e hidratando a atmosfera por meio dos processos da fotossíntese e da transpiração. Plantadas nas proximidades de edifícios, as árvores estabilizam a temperatura interna dessas construções, possibilitando o menor uso de condicionadores de ar e, consequentemente, reduzindo o consumo de energia elétrica. Deve-se ressaltar também que, sob a projeção das copas das árvores, à sua sombra, a temperatura ambiente é mais amena e agradável. As árvores, dispostas em fileiras ou em maciços, constituem-se em verdadeiras barreiras que podem contribuir sobremaneira para a melhoria ambiental dos locais onde se situam e gerar benefícios às áreas circundantes. Pela redução da velocidade e mudança da direção das correntes de vento, protegem esses espaços, agindo como quebra-ventos.

Da mesma forma, desempenham significativo efeito de controle da poluição sonora, uma vez que absorvem sons e ruídos. Não bastasse isso, nas ruas tecnicamente arborizadas, a poeira suspensa na atmosfera é 25% menor do que nos locais onde não há árvores: suas folhas retêm partículas de pó e também de outros agentes poluentes suspensos na atmosfera. As árvores são o mais perfeito tipo de cobertura vegetal para proteção do solo contra os efeitos danosos provocados pela erosão hídrica, uma vez que suas frondes anulam o impacto das gotas d’água contra o solo. Isto porque a água da chuva flui gradual e lentamente pela ramagem até o solo, neste se infiltrando e se depositando, contribuindo para o aumento das reservas hídricas subterrâneas. As árvores, em muitos casos, por serem redutos de espécies da fauna e da flora, inclusive daquelas ameaçadas de extinção, desempenham papel de suma relevância para a preservação destas espécies, ampliando sua importância ecológica.

Por todos os aspectos anteriormente elencados, é indispensável considerar a funcionalidade da arborização no planejamento urbano, lembrando ainda que esta representa, sem dúvida, importante elemento de desenvolvimento educacional.

Alguns critérios da CPFL; 1 Origem da espécie – Nas ruas e avenidas das cidades paulistas predomina, hoje, árvores de espécies exóticas, ou seja, que não são espécies brasileiras, totalizando, aproximadamente, 80% dos exemplares. Tendo em vista a necessidade de manutenção e conservação da diversidade das espécies da flora nacional, recomenda se, sempre que possível, o em prego de plantas nativas da região, as quais têm a vantagem de estarem plenamente adaptadas às condições de solo e clima locais. Num grande espaço urbano e até mesmo numa cidade, a diversidade de espécies na composição da arborização viária é fundamental; recomenda-se um percentual mínimo de 10 a 15% por espécie, índice este que facilitará o manejo das plantas. 2 Presença de frutos e flores – Deve-se evitar o emprego de árvores produtoras de frutos pesados, volumosos, deiscentes e frutíferas comerciais, que necessitam de cuidados especiais, como adubações e tratamentos fitossanitários específicos. É desejável, porém, o emprego de espécies silvestres resistentes às intempéries, pouco exigentes em fertilidade de solo e disponibilidade de água e que produzam pequenos frutos, úteis à alimentação de pássaros. Todos admiram as árvores e os arbustos floridos. Para o plantio em calçadas, devem-se escolher árvores ornamentais que produzam flores de tamanho pequeno, uma vez que flores grandes depositadas no solo causam riscos de acidentes às pessoas. Ao escolher árvores ornamentais, optar pelas produtoras de flores de cores vivas e cujo período de permanência na planta seja o mais duradouro possível, evitando-se, por outro lado, as que exalam fortes odores, que podem tornar-se enjoativos. 3 Toxicidade e agressividade – Não devem ser utilizadas plantas que tenham espinhos ou aquelas que possuam princípios nocivos, como o látex, cáustico à mucosa humana, e nem mesmo espécies que possam vir a provocar reações de alergia no homem. Os dois últimos também são citados pelo IPEF.

 A podaem Fortaleza no estado do Ceara devido a fortes ventos uma empresa terceira faz apoda ou retirada dos frutos a cada três ou quatro meses comentado em uma entrevista no site do G1 da rede Globo.

A colheita é feita para produção da seguinte forma;Colhe-se coco para fornecimento da água-de-coco (coco imaturo), para uso doméstico ou industrial (coco maduro seco) e para multiplicação (semente, coco tendendo a secar). A colheita é feita a cada 60 ou 75 ou 90 dias (segundo costumes da região ou da propriedade). Para água de coco colhe-se entre o 6º e 8º mês de vida do fruto, para copra ou semente colhe-se o fruto em plena maturação e não antes do 11º mês de vida.Colhese cocos caídos (maduros) ou apanha-se cocos verdes e maduros subindo no coqueiro (através de "peia"). Na colheita aproveita-se para efetuar limpeza da copa (eliminação de restos florais secos, folhas secas).(Secretaria de Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária do estado da Bahia)

A constituição federal da autonomia aos municípios criarem leis para o processo de arborização urbana, mas ainda apresenta algumas leis como as: a Constituição Federal Brasileira de 1988, artigo n. 30, Inciso VIII, e artigos n. 182, 183 e 225; o Código Civil, artigos n. 98 e 99; a Lei Federal n. 4.717/65 – Ação Popular; a Lei Federal n. 6.766/79 - Parcelamento do Solo; a Lei Federal n. 7.347/85- Ação Civil Pública; a Lei Federal n. 8.078/90, artigos n. 81 e 82 - Código de Defesa do Consumidor; a Lei Federal n. 9.605/98, artigo n. 49 - Lei de Crimes Ambientais; e a Lei Federal n. 10.257/01 - Estatuto da Cidade. Em Osasco não temos uma legislação que proíba o plantio de arvores frutos grandes, mas caso haver problemas é aconselhado o código de defesa do consumidor federal.

Para a arborização o município apresenta a Lei Ordinária de Osasco-SP, nº 1485 de 12/10/1978 Estabelece os objetivos e as diretrizes para uso e ocupação do solo urbano no município de OSASCO e a Lei nº 2015 de 14/12/1987 Dispõe sobre a defesa do patrimônio cultural e ambiental do município de Osasco e dá outras providencias. A transformação de parte da Rua Antônio Agu em "calçadão" surgiu no 1º mandato do prefeito Francisco Rossi (1973/77). A intenção era instalar um shopping ao ar livre, transformando a Antônio Agu em um grande centro de compras. A primeira alternativa veio com o "fechadão". A prefeitura asfaltou a rua e colocou em frente à estação de trem, três grandes tubos de cimento, que serviram como floreiras, mas somente no segundo mandato em 1989 a 1993 foi feito a revitalização onde foi feito o plantio dos coqueiros. (Câmara municipal de Osasco)

 Objetivos 

Essa monografia tem como o intuito de incentivar a arborização urbana, mas que seja feita de maneira correta e com um bom senso.

 Conceitos

 A planta e o fruto; Originário do sudeste da Ásia o coqueiro foi introduzido no Brasil através da Bahia (daí coco-da-baía) donde se disseminou pelo litoral nordestino que é responsável por 90% da produção nacional; Bahia, Sergipe, Rio Grande do Norte, são os maiores produtores. Na Bahia as regiões econômicas Litoral Norte, Extremo Sul da Bahia, Região Metropolitana de Salvador são as maiores fornecedoras de cocô.O Brasil, participando com menos de 15% na produção mundial, não satisfazem às suas necessidades; a produtividade é baixíssima - 25 cocos pé/ano - (material cultivado, manejo inadequado). Os continentes Ásia e Oceania são responsáveis por 90% da produção mundial (Filipinas, Indonésia, Índia, Papua, Nova Guiné).(Secretaria de Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária do estado da Bahia)

O coqueiro é uma planta monocotiledônea, da família Palmae, conhecido como Cocus nucífera, L. Planta arbórea, altura em torno de 25m. (coqueiro gigante) copa densa e elegante. Raiz fasciculada (vai a 1,8m. para lados e até 0,6m. para baixo), caule indiviso chamado estipe ou espique, com tufo de folhas (30-35) bem verdes na extremidade. Folha constituída de pecíolo curto e por vários pseudo - folíolos, com 6m de comprimento e 1-2 anos de vida; inflorescência axilar em forma cacho com flores femininas globosas. A planta é monóica (órgãos masculinos e femininos na mesma planta). Fruto é drupa com casca (epiderme) lisa, camada fibrosa (mesocarpo) e parte dura (endocarpo). Na sua parte interna encontra-se a amêndoa e a "água-de-coco". O fruto também é conhecido como noz-semente, semente. As variedades de coqueiro são: gigante - também chamado de típico, é predominante, tem grande altura, polinização cruzada, fruto verde, cocos destinados à industrialização; anão - representado por tipos com frutos verdes, vermelhos e amarelos, tem auto fecundação e frutos destinados ao consumo da água-de-coco e híbrido - proveniente do cruzamento natural ou artificial gigante x anão, não tem 

informações conclusivas sobre seu material.(Secretaria de Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária do estado da Bahia).

Metodologia Foi feita uma pesquisa popular (30 pessoas) com questões fechadas, um questionário com a Secretaria do Meio Ambiente e a avaliação de possíveis não conformidades é feita com os critérios das normas.  Pesquisa experimental segundo Vieira; Neste tipo de investigação manipulase deliberadamente algum aspecto da realidade. É usada para obter evidências de relações de causa e efeito. A causalidade pode ser inferida quando entre duas ou mais variáveis houver variação concomitante, ordem de ocorrência correta das variáveis no tempo e quando os outros possíveis fatores causais forem eliminados (MATTAR, 1999). A pesquisa experimental pretende mostrar de que modo ou por que o fenômeno é produzido. A formatação padrão desse tipo de trabalho é a experimental. Um experimento é um projeto de pesquisa que envolve a manipulação de uma ou mais variáveis enquanto outras são mantidas constantes, e a medição dos resultados (CHURCHILL, 1987; MALHOTRA, 2001).

Resultados

 Questões para a população

Questão 1- Você já sofreu algum acidente com a queda de um cocô?

100% não

Essa questão já da para entender que os acidentes não são frequentes.

Questão 2- Você conhece ou viu alguém que sofreu um acidente do tipo?

20%sim 80%não

Essa já confirma a pouca frequência.

Questão 3- Algum de ordem grave?

100% não. As gravidades não existiram. 

Questão 4- A poda referente a qualidade e quantidade é satisfatória para você?

74%sim 26%não. A poda se mostrou satisfatória para a maioria.

Questão 5- Você ou a pessoa que você conhece e/ou viu sofrer o acidente tomou alguma providencia?

100% não. Como as pessoas não viram gravidades nos acidentes não foram tomadas as providencias. 

Outras informações; 30 pessoas, 15 de cada sexo, 18 trabalham em lojas e 12 são ambulantes.16 aos 20 anos 8 pessoas, 21 aos 30 anos 5 pessoas, 31 aos 40 anos 9 pessoas, 41 aos 50 anos 3 pessoas e 51 aos 60 anos 5 pessoas.

 Questões para a Secretaria do Meio Ambiente de Osasco 

1 - A SEMA mantém documentos quando foi feito plantio e que determina o tempo de poda?

A SEMA não tem o documentos de quando foram plantados os coqueiros na rua Antônio Agu. Os serviços de podas, no mínimo duas vezes por ano, são registrados no DAV - Departamento de Áreas Verdes.

2 - Qual é o tempo de poda ou retirada dos cocôs?

As podas/retiradas de cocôs são realizadas nos meses de maio e novembro

3 - A SEMA mantem registros de cada poda? Quando foram as três últimas? 

As últimas podas foram em maio/11, nov./10 e maio/10.

4 -A SEMA recebe reclamações por acidentes ocasionados pela queda do fruto?

Nos últimos 6 anos, foram mencionados poucos casos, mas nenhum que exigisse, por exemplo, atendimento médico-hospitalar. Apenas houve comentário na SEMA. Informações de Ivo José de Oliveira, diretor do DAV.

 Normas de Gestão

 NBR ISO 9001

Referente a norma deve se ter o documento que indica a periodicidade das podas e do plantio, requisito 4.2.3. Deve também ter registros das podas(retiradas dos cocôs), requisito 4.2.4.Osasco não tem os documentos do plantio logo surge uma não conformidade, que pode ser relevada por ser um Sistema Politico, requisitos 4.2.3 e 8.3.O possível acidente com a queda dos cocôs gera uma segunda não conformidade, mesmo com a retirada dos frutos isso não elimina a não conformidade, requisito 8.3.Logo o serviço de arborização no local não é certificável pela norma.

 NBR ISO 14001

A falta de documentos também gera uma não conformidade, mas pode se relevada por ser um impacto positivo, requisitos 4.4.5, 3.18, 4.2, 4.4.7 e 4.5.3.O fato do plantio já é um impacto positivo para norma, mas essa resposta poderia ser melhor se no inicio as arvores plantadas fossem pioneiras e com uma grande copa para uma melhor absorção do CO².Esse tipo de pratica ajuda em uma certificação da norma.

 NBR 16001

Como nas outras normas a falta de documentos é tratada de maneira igual, requisito 3.5.3.O possível acidente com a queda dos cocôs gera uma não conformidade por ser um impacto social negativo, mas a poda mitiga o problema, assim não se caracterizando a mesma, requisito 3.6.3.Certificável pela norma, se esse for o único problema.

Em todas as listas de palmeiras de arborização urbana não encontramos o coqueiro citado pelo IPEF e pela CPFL, justamente pelo fato de obter frutos grandes.

Considerações Finais

Ao seguir a norma NBR ISO 9001 analiso que o serviço de arborização mesmo com a poda não é certificável, a norma pede para eliminar a não conformidade, mas agrada a maior parte dos munícipes.

Já nas outras normas é certificável, na NBR ISO 14001 a arborização é até uma boa pratica para a certificação. Na NBR 16001 a não conformidade foi mitigada (minimizada) logo sendo desconsiderada.   

Referencias bibliográficas

Literaturas ABNT NBR ISO 9000:2008- Sistemas de gestão da qualidade. ABNT NBR ISO 14001:2004- Sistemas de gestão ambiental. ABNT NBR 16001:2004– Sistema de gestão de responsabilidade social. CPFL Energia:Arborização urbana viária: aspectos de planejamento, implantação e manejo / CPFLEnergia – ed. rev. Campinas, SP: CPFL Energia, 2008. 120 p.; il. • Arborização urbana. 2. Meio ambiente. I. CPFL Energia. II. Título.

CHURCHILL JR., G.A. Marketing research: methodological foundations. Chicago: The Dryden Press, 1987. 

MALHOTRA, N.K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 3.ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MATTAR, F. N. Pesquisa de marketing: metodologia e planejamento. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999. v. 1

Vieira, Valter Afonso As tipologias, variações e características da pesquisa de marketing, Revista da FAE p65 e 66, Curitiba, v.5, n.1, p.61-70, jan./abr. 2002.

Referencias eletrônica 

Secretaria de Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária do estado da Bahia;http://www.seagri.ba.gov.br/coqueiro.htm.

Fontes, Humberto Rollemberg; Ferreira, Joana Maria Santos; Siqueira, Luiz Alberto de: Sistema de produção para a cultura do coqueiro. Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, 2002. 63p. (Embrapa Tabuleiros Costeiros. Sistemas de Produção, 01). Disponível em http://www.cpatc.embrapa.br

IPEF:http://www.ipef.br/silvicultura/arborizacaourbana.asp

www.LEISMUNICIPAIS.com.br - Informação legal em tempo real_pl.htm.

Câmara municipal de Osasco: http://www.camaraosasco.sp.gov.br/osasco/urbanus/index14.htm.

Anexos: As figuras e a informação que não foram registrados acidentes de maior gravidade, por não existir os mesmos no Hospital Municipal Central de Osasco até o final do ano de 2011. 


PEDRO LOBAS NETO
SP - CARAPICUIBA

Indique este Artigo enviando o Link:
http://www.crbiodigital.com.br/portal?txt=3677343235


Imagens / Fotos do Artigo 
  Foto :Lobas Neto, Pedro; Osasc ...
  Foto :Lobas Neto, Pedro; Osasc ...
  Foto :Lobas Neto, Pedro; Osasc ...
  Foto :Lobas Neto, Pedro; Osasc ...
  Foto :Lobas Neto, Pedro; Osasc ...

 retorna

 

  :: Pesquisa Artigos
contenha a palavra 
Regional 
Nome do(a) Biólogo(a) 


pesquisar



Copyright 2007  -   contatocrbiodigital@crbiodigital.com.br  -   privacidade