retorna
  :: Artigo selecionado
  Actinomicose torácica
11/04/2011

ANA CRISTINA OLIVEIRA DE ALMEIDA
RJ - RIO DE JANEIRO
Neste trabalho é apresentado um caso clínico de actinomicose torácica em paciente masculino de 60 anos de idade, apresentando história clínica arrastada – 6 meses – de tosse produtiva, emagrecimento, febre e taquipnéia. O objetivo é discu

Área(s) de Atuação que o Presente Artigo trata
Biologia
Saúde
Análises Citopatológicas


Pulmão RJ vol.14(2) 2005

170 . PULMÃO RJ . Volume 14 . Nº 2 . Abr-Mai-Jun, 2005

. PULMÃO RJ . Volume 14 . Nº 2 . Abr-Mai-Jun, 2005

Relato de caso

Actinomicose torácica: relato de caso

Thoracic actinomycosis: case report

RESUMO

Neste trabalho é apresentado um caso clínico de actinomicose torácica em paciente masculino de 60 anos de idade, apresentando

história clínica arrastada . 6 meses . de tosse produtiva, emagrecimento, febre e taquipnéia. O objetivo é discutir alguns aspectos

clínicos, radiológicos e diagnósticos da actinomicose torácica.

Descritores: actinomicose, doença pulmonar.

actinomicose, doença pulmonar.

ABSTRACT

In this paper is presented a case report of thoracic actinomycosis in a 60 years old male patient, showing an indolent progressive

course . 6 months . of productive cough, weight-loss, fever and progressive shortness of breath. The purpose is discussing some clinical,

radiologic and diagnostic aspects of thoracic actinomycosis.

Keywords: actinomycosis, pulmonary disease.

actinomycosis, pulmonary disease.

Pulmão RJ 2005; 14(2): 170-72

Introdução

Actinomicose é uma doença supurativa e de curso

arrastado causada por uma bactéria anaeróbia ou

microaerofílica, principalmente do gênero Actinomyces,

que coloniza boca, cólon e vagina, não tendo outro

reservatório no meio ambiente1,2.

As principais formas de apresentação da doença

são a cérvico-facial, torácica, abdominal e pélvica1,2.

Outros sítios de acomentimento incluem sistema nervoso

central e tecido músculo-esquelético. Há também relatos

esporádicos de uma forma disseminada da doença1.

Em sua apresentação torácica, a enfermidade é

geralmente confundida com neoplasia ou outros tipos

de infecção pulmonar. Sobre actinomicose é dito:

Actinomyces,

que coloniza boca, cólon e vagina, não tendo outro

reservatório no meio ambiente1,2.

As principais formas de apresentação da doença

são a cérvico-facial, torácica, abdominal e pélvica1,2.

Outros sítios de acomentimento incluem sistema nervoso

central e tecido músculo-esquelético. Há também relatos

esporádicos de uma forma disseminada da doença1.

Em sua apresentação torácica, a enfermidade é

geralmente confundida com neoplasia ou outros tipos

de infecção pulmonar. Sobre actinomicose é dito:

1,2.

As principais formas de apresentação da doença

são a cérvico-facial, torácica, abdominal e pélvica1,2.

Outros sítios de acomentimento incluem sistema nervoso

central e tecido músculo-esquelético. Há também relatos

esporádicos de uma forma disseminada da doença1.

Em sua apresentação torácica, a enfermidade é

geralmente confundida com neoplasia ou outros tipos

de infecção pulmonar. Sobre actinomicose é dito:

1,2.

Outros sítios de acomentimento incluem sistema nervoso

central e tecido músculo-esquelético. Há também relatos

esporádicos de uma forma disseminada da doença1.

Em sua apresentação torácica, a enfermidade é

geralmente confundida com neoplasia ou outros tipos

de infecção pulmonar. Sobre actinomicose é dito:

1.

Em sua apresentação torácica, a enfermidade é

geralmente confundida com neoplasia ou outros tipos

de infecção pulmonar. Sobre actinomicose é dito:

Frederico Mota Ribeiro1, Patrícia Araújo Corrêa Coelho1,

Ana Cristina Oliveira de Almeida2, Thaís Emanuele Ribeiro Escaleira3,

Márcia Maria Freire3, Fernando Carlos V. Ribeiro3,

Hedi M. de M. Guedes de Oliveira3, Agnaldo José Lopes3

1, Patrícia Araújo Corrêa Coelho1,

Ana Cristina Oliveira de Almeida2, Thaís Emanuele Ribeiro Escaleira3,

Márcia Maria Freire3, Fernando Carlos V. Ribeiro3,

Hedi M. de M. Guedes de Oliveira3, Agnaldo José Lopes3

2, Thaís Emanuele Ribeiro Escaleira3,

Márcia Maria Freire3, Fernando Carlos V. Ribeiro3,

Hedi M. de M. Guedes de Oliveira3, Agnaldo José Lopes3

3, Fernando Carlos V. Ribeiro3,

Hedi M. de M. Guedes de Oliveira3, Agnaldo José Lopes3

3, Agnaldo José Lopes3

1. Médico(a) do Serviço de Clínica Médica do Hospital Estadual Santa Maria/SES-RJ.

2. Bióloga do Hospital Estadual Santa Maria/SES-RJ.

3. Médico(a) do Serviço de Pneumologia do Hospital Estadual Santa Maria/SES-RJ.

Local de realização: Hospital Estadual Santa Maria, secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro.

Endereço para correspondência: Frederico Mota Ribeiro. Praia do Flamengo 98/301 Flamengo 22210-030 Rio de Janeiro RJ.

Tel.: (21) 2558-4892. Email: fredri@superig.com.br

: Frederico Mota Ribeiro. Praia do Flamengo 98/301 Flamengo 22210-030 Rio de Janeiro RJ.

Tel.: (21) 2558-4892. Email: fredri@superig.com.br

Artigo recebido para publicação no dia 21/04/2005 e aceito no dia 11/05/2005, após revisão.

.Nenhuma doença é tão freqüentemente esquecida

pelos médicos, mesmo aqueles experientes.1.

Neste trabalho, apresentamos um relato de caso

de actinomicose torácica com história clínica sugestiva,

porém inespecífica, e exame citológico de escarro

bastante característico.

1.

Neste trabalho, apresentamos um relato de caso

de actinomicose torácica com história clínica sugestiva,

porém inespecífica, e exame citológico de escarro

bastante característico.

Relato do caso

Paciente masculino, 60 anos, procurou atendimento

médico com queixas de tosse produtiva,

emagrecimento, taquipnéia e episódios febris iniciados

há seis meses. Nas últimas semanas, associado aos

sintomas anteriores, vinha apresentando hemoptóicos

e dispnéia progressiva.

Ribeiro FM e cols. . Actinomicose

PULMÃO RJ . Volume 14 . Nº 2 . Abr-Mai-Jun, 2005 . 171

RJ
. Volume 14 . Nº 2 . Abr-Mai-Jun, 2005 . 171

Nesse intervalo, realizou baciloscopia de escarro,

que foi negativa, e exame radiológico, não sabendo

informar o resultado deste. Fez uso de amoxicilina oral

1,5g/dia por 10 dias, sem melhora do quadro clínico.

Ao exame clínico, apresentava-se lúcido,

orientado, hipocorado, emagrecido e normotenso.

Queixava-se de dispnéia leve. Exame físico cardiológico

normal, não sugerindo disfunção ventricular esquerda.

Ausculta pulmonar com diminuição de murmúrio

vesicular em bases. Restante do exame clínico

inalterado. Relatava etilismo de longa data e tabagismo

de 80 maços/ano.

A teleradiografia de tórax, realizada na internação,

mostrava imagem de hipotransparência em terço

superior do hemitórax direito associada a desvio

ipsilateral do mediastino (Figura 1).

Na admissão, foi realizado exame de citologia de

escarro que apresentou estruturas de forma

arredondada, intensamente basofílicas e rodeadas por

uma coroa de filamentos (.grânulos de enxofre.), ao

lado de células epiteliais de origem escamosa com

alterações inflamatórias acentuadas e numerosos

leucócitos3 (Figura 2 A e B).

Iniciado tratamento com penicilina. Porém, o

paciente evoluiu com morte súbita após 48 horas de

internação, mesmo antes da realização de qualquer

outro procedimento.

3 (Figura 2 A e B).

Iniciado tratamento com penicilina. Porém, o

paciente evoluiu com morte súbita após 48 horas de

internação, mesmo antes da realização de qualquer

outro procedimento.

Discussão

Descrita no homem pela primeira vez em 1891,

a actinomicose só foi reconhecida como de origem

bacteriana, e não fúngica, na década de 19502.

Causada por um bastonete Gram-positivo, anaeróbio

ou microaerofílico, principalmente do gênero

2.

Causada por um bastonete Gram-positivo, anaeróbio

ou microaerofílico, principalmente do gênero

Actinomyces, a actinomicose é doença de difícil

diagnóstico. Nos últimos anos, sua incidência tem

diminuído possivelmente devido às melhores condições

de higiene oral e ao uso de antibióticos4.

A actinomicose é geralmente causada pelo

, a actinomicose é doença de difícil

diagnóstico. Nos últimos anos, sua incidência tem

diminuído possivelmente devido às melhores condições

de higiene oral e ao uso de antibióticos4.

A actinomicose é geralmente causada pelo

4.

A actinomicose é geralmente causada pelo

Actinomyces israelli (mais comum), A. naeslundii, A.

meyeri e A. gerencseriae1. Estes microrganismos são

parte da flora normal, colonizando cavidade oral, cólon

e trato genital feminino. Dessa forma, a quebra da

barreira mucosa por má higiene ou trauma é essencial

para o desenvolvimento da doença.

Geralmente com curso arrastado, a actinomicose

é de difícil reconhecimento precoce, tendo como sítios

de infecção a mandíbula, pulmão e junção íleo-cecal,

porém podendo acometer outros locais2. Sua

apresentação torácica . actinomicose torácica .

geralmente resulta da aspiração de material orofaríngeo

ou gastro-intestinal. Responsável por cerca de 15-50%

(mais comum), A. naeslundii, A.

meyeri e A. gerencseriae1. Estes microrganismos são

parte da flora normal, colonizando cavidade oral, cólon

e trato genital feminino. Dessa forma, a quebra da

barreira mucosa por má higiene ou trauma é essencial

para o desenvolvimento da doença.

Geralmente com curso arrastado, a actinomicose

é de difícil reconhecimento precoce, tendo como sítios

de infecção a mandíbula, pulmão e junção íleo-cecal,

porém podendo acometer outros locais2. Sua

apresentação torácica . actinomicose torácica .

geralmente resulta da aspiração de material orofaríngeo

ou gastro-intestinal. Responsável por cerca de 15-50%

e A. gerencseriae1. Estes microrganismos são

parte da flora normal, colonizando cavidade oral, cólon

e trato genital feminino. Dessa forma, a quebra da

barreira mucosa por má higiene ou trauma é essencial

para o desenvolvimento da doença.

Geralmente com curso arrastado, a actinomicose

é de difícil reconhecimento precoce, tendo como sítios

de infecção a mandíbula, pulmão e junção íleo-cecal,

porém podendo acometer outros locais2. Sua

apresentação torácica . actinomicose torácica .

geralmente resulta da aspiração de material orofaríngeo

ou gastro-intestinal. Responsável por cerca de 15-50%

2. Sua

apresentação torácica . actinomicose torácica .

geralmente resulta da aspiração de material orofaríngeo

ou gastro-intestinal. Responsável por cerca de 15-50%

Figura 1 . Radiografia de tórax evidenciando imagem de

hipotransparência em terço superior do hemitórax direito

associada a desvio ipsilateral do mediastino.

. Radiografia de tórax evidenciando imagem de

hipotransparência em terço superior do hemitórax direito

associada a desvio ipsilateral do mediastino.

Figura 2 A e B . Exame de citologia de escarro demonstrando

estruturas de forma arredondada, intensamente basofílicas,

rodeadas por uma coroa de filamentos (.grânulos de

enxofre.) ao lado de células epiteliais de origem escamosa

com alterações inflamatórias acentuadas e numerosos

leucócitos. (Em A com 10x de aumento e B com 40x).

. Exame de citologia de escarro demonstrando

estruturas de forma arredondada, intensamente basofílicas,

rodeadas por uma coroa de filamentos (.grânulos de

enxofre.) ao lado de células epiteliais de origem escamosa

com alterações inflamatórias acentuadas e numerosos

leucócitos. (Em A com 10x de aumento e B com 40x).

A

B

Pulmão RJ vol.14(2) 2005

172 . PULMÃO RJ . Volume 14 . Nº 2 . Abr-Mai-Jun, 2005

. PULMÃO RJ . Volume 14 . Nº 2 . Abr-Mai-Jun, 2005

dos casos, essa forma clínica da doença apresenta-se

com sinais e sintomas inespecíficos, muitas vezes

confundidos com tuberculose, pneumonia inespecífica

e neoplasia2,5.

A presença de derrame pleural crônico associado

a alterações pulmonares e invasão periosteal da costela

é descrita como tríade diagnóstica da actinomicose5.

Como ela não foi observada no caso em questão, isso

pode ter dificultado o diagnóstico da doença. Porém,

a literatura mostra esses achados como exceção, e não

como regra5. Tipicamente, os sinais e sintomas incluem

tosse seca ou produtiva, dispnéia, dor torácica,

hemoptóicos, emagrecimento, febre e, ocasionalmente,

síndrome de veia cava superior2.

Embora na actinomicose as lesões pulmonares

sejam geralmente circunscritas, há tendência a

progredir sem respeitar limites anatômicos de lobos.

Também, é bom lembrar, é uma das poucas doenças

que podem se propagar pelos três planos . pulmão,

pleura e parede4. Após iniciar com quadro de

pneumonia, a infecção pode evoluir para formação

de cavidade e provocar espessamento pleural e

empiema. Pode ocorrer invasão da parede torácica,

com erosão óssea e formação de fístula2. Essa tendência

à fistulização leva a uma das formas mais características,

quando o diagnóstico fica bastante sugerido,

especialmente se drenar pus com alguns grânulos. A

doença crônica pode levar a fibrose pulmonar e a

obstrução endobrônquica pode surgir devido a edema

ou formação de massa intraluminal.

Radiologicamente, os achados não são específicos,

podendo ser confundidos com tuberculose pulmonar,

pneumonia bacteriana e neoplasia. Entretanto, é

relativamente freqüente a apresentação da doença sob

a forma de massa pulmonar. A tomografia computadorizada

de tórax mostra-se superior à radiografia por

evidenciar anormalidades pleurais e parenquimatosas5.

Uma dos empecilhos no diagnóstico é a

dificuldade de isolamento da bactéria devido ao seu

crescimento lento e ao crescimento acelerado de outras

bactérias presentes no material de análise. A obtenção

de espécime para análise normalmente é feita por

métodos invasivos, como punção aspirativa,

broncofibroscopia e biópsia por toracotomia. Porém,

o achado de grânulos de enxofre . composto de

colônias de Actinomyces . são característicos, sugerindo

fortemente o diagnóstico2.

Actinomicose deve ser tratada com curso

prolongado de antibióticos, sendo a penicilina a droga

de escolha. Outras opções incluem cloranfenicol,

tetraciclina, carbapenêmicos, eritromicina, clindamicina

ou cefalosporina2. Em casos mais avançados e

graves da doença, é necessário tratamento cirúrgico

com drenagem e retirada de abscesso, empiema e

tecido necrosado2. Habitualmente, não há necessidade

de tratamento das outras bactérias isoladas no material.

O prognóstico é bom, ao contrário daquele que se

observava na era pré-antibiótica.

Embora na literatura a maioria dos casos relatados

tenha o diagnóstico feito após realização de

procedimentos invasivos . que devem ser sempre

solicitados . , o caso apresentado mostra um

diagnóstico realizado com material obtido de maneira

não invasiva e barata, de acesso relativamente fácil no

sistema de saúde público e privado.

2,5.

A presença de derrame pleural crônico associado

a alterações pulmonares e invasão periosteal da costela

é descrita como tríade diagnóstica da actinomicose5.

Como ela não foi observada no caso em questão, isso

pode ter dificultado o diagnóstico da doença. Porém,

a literatura mostra esses achados como exceção, e não

como regra5. Tipicamente, os sinais e sintomas incluem

tosse seca ou produtiva, dispnéia, dor torácica,

hemoptóicos, emagrecimento, febre e, ocasionalmente,

síndrome de veia cava superior2.

Embora na actinomicose as lesões pulmonares

sejam geralmente circunscritas, há tendência a

progredir sem respeitar limites anatômicos de lobos.

Também, é bom lembrar, é uma das poucas doenças

que podem se propagar pelos três planos . pulmão,

pleura e parede4. Após iniciar com quadro de

pneumonia, a infecção pode evoluir para formação

de cavidade e provocar espessamento pleural e

empiema. Pode ocorrer invasão da parede torácica,

com erosão óssea e formação de fístula2. Essa tendência

à fistulização leva a uma das formas mais características,

quando o diagnóstico fica bastante sugerido,

especialmente se drenar pus com alguns grânulos. A

doença crônica pode levar a fibrose pulmonar e a

obstrução endobrônquica pode surgir devido a edema

ou formação de massa intraluminal.

Radiologicamente, os achados não são específicos,

podendo ser confundidos com tuberculose pulmonar,

pneumonia bacteriana e neoplasia. Entretanto, é

relativamente freqüente a apresentação da doença sob

a forma de massa pulmonar. A tomografia computadorizada

de tórax mostra-se superior à radiografia por

evidenciar anormalidades pleurais e parenquimatosas5.

Uma dos empecilhos no diagnóstico é a

dificuldade de isolamento da bactéria devido ao seu

crescimento lento e ao crescimento acelerado de outras

bactérias presentes no material de análise. A obtenção

de espécime para análise normalmente é feita por

métodos invasivos, como punção aspirativa,

broncofibroscopia e biópsia por toracotomia. Porém,

o achado de grânulos de enxofre . composto de

colônias de Actinomyces . são característicos, sugerindo

fortemente o diagnóstico2.

Actinomicose deve ser tratada com curso

prolongado de antibióticos, sendo a penicilina a droga

de escolha. Outras opções incluem cloranfenicol,

tetraciclina, carbapenêmicos, eritromicina, clindamicina

ou cefalosporina2. Em casos mais avançados e

graves da doença, é necessário tratamento cirúrgico

com drenagem e retirada de abscesso, empiema e

tecido necrosado2. Habitualmente, não há necessidade

de tratamento das outras bactérias isoladas no material.

O prognóstico é bom, ao contrário daquele que se

observava na era pré-antibiótica.

Embora na literatura a maioria dos casos relatados

tenha o diagnóstico feito após realização de

procedimentos invasivos . que devem ser sempre

solicitados . , o caso apresentado mostra um

diagnóstico realizado com material obtido de maneira

não invasiva e barata, de acesso relativamente fácil no

sistema de saúde público e privado.

5.

Como ela não foi observada no caso em questão, isso

pode ter dificultado o diagnóstico da doença. Porém,

a literatura mostra esses achados como exceção, e não

como regra5. Tipicamente, os sinais e sintomas incluem

tosse seca ou produtiva, dispnéia, dor torácica,

hemoptóicos, emagrecimento, febre e, ocasionalmente,

síndrome de veia cava superior2.

Embora na actinomicose as lesões pulmonares

sejam geralmente circunscritas, há tendência a

progredir sem respeitar limites anatômicos de lobos.

Também, é bom lembrar, é uma das poucas doenças

que podem se propagar pelos três planos . pulmão,

pleura e parede4. Após iniciar com quadro de

pneumonia, a infecção pode evoluir para formação

de cavidade e provocar espessamento pleural e

empiema. Pode ocorrer invasão da parede torácica,

com erosão óssea e formação de fístula2. Essa tendência

à fistulização leva a uma das formas mais características,

quando o diagnóstico fica bastante sugerido,

especialmente se drenar pus com alguns grânulos. A

doença crônica pode levar a fibrose pulmonar e a

obstrução endobrônquica pode surgir devido a edema

ou formação de massa intraluminal.

Radiologicamente, os achados não são específicos,

podendo ser confundidos com tuberculose pulmonar,

pneumonia bacteriana e neoplasia. Entretanto, é

relativamente freqüente a apresentação da doença sob

a forma de massa pulmonar. A tomografia computadorizada

de tórax mostra-se superior à radiografia por

evidenciar anormalidades pleurais e parenquimatosas5.

Uma dos empecilhos no diagnóstico é a

dificuldade de isolamento da bactéria devido ao seu

crescimento lento e ao crescimento acelerado de outras

bactérias presentes no material de análise. A obtenção

de espécime para análise normalmente é feita por

métodos invasivos, como punção aspirativa,

broncofibroscopia e biópsia por toracotomia. Porém,

o achado de grânulos de enxofre . composto de

colônias de Actinomyces . são característicos, sugerindo

fortemente o diagnóstico2.

Actinomicose deve ser tratada com curso

prolongado de antibióticos, sendo a penicilina a droga

de escolha. Outras opções incluem cloranfenicol,

tetraciclina, carbapenêmicos, eritromicina, clindamicina

ou cefalosporina2. Em casos mais avançados e

graves da doença, é necessário tratamento cirúrgico

com drenagem e retirada de abscesso, empiema e

tecido necrosado2. Habitualmente, não há necessidade

de tratamento das outras bactérias isoladas no material.

O prognóstico é bom, ao contrário daquele que se

observava na era pré-antibiótica.

Embora na literatura a maioria dos casos relatados

tenha o diagnóstico feito após realização de

procedimentos invasivos . que devem ser sempre

solicitados . , o caso apresentado mostra um

diagnóstico realizado com material obtido de maneira

não invasiva e barata, de acesso relativamente fácil no

sistema de saúde público e privado.

5. Tipicamente, os sinais e sintomas incluem

tosse seca ou produtiva, dispnéia, dor torácica,

hemoptóicos, emagrecimento, febre e, ocasionalmente,

síndrome de veia cava superior2.

Embora na actinomicose as lesões pulmonares

sejam geralmente circunscritas, há tendência a

progredir sem respeitar limites anatômicos de lobos.

Também, é bom lembrar, é uma das poucas doenças

que podem se propagar pelos três planos . pulmão,

pleura e parede4. Após iniciar com quadro de

pneumonia, a infecção pode evoluir para formação

de cavidade e provocar espessamento pleural e

empiema. Pode ocorrer invasão da parede torácica,

com erosão óssea e formação de fístula2. Essa tendência

à fistulização leva a uma das formas mais características,

quando o diagnóstico fica bastante sugerido,

especialmente se drenar pus com alguns grânulos. A

doença crônica pode levar a fibrose pulmonar e a

obstrução endobrônquica pode surgir devido a edema

ou formação de massa intraluminal.

Radiologicamente, os achados não são específicos,

podendo ser confundidos com tuberculose pulmonar,

pneumonia bacteriana e neoplasia. Entretanto, é

relativamente freqüente a apresentação da doença sob

a forma de massa pulmonar. A tomografia computadorizada

de tórax mostra-se superior à radiografia por

evidenciar anormalidades pleurais e parenquimatosas5.

Uma dos empecilhos no diagnóstico é a

dificuldade de isolamento da bactéria devido ao seu

crescimento lento e ao crescimento acelerado de outras

bactérias presentes no material de análise. A obtenção

de espécime para análise normalmente é feita por

métodos invasivos, como punção aspirativa,

broncofibroscopia e biópsia por toracotomia. Porém,

o achado de grânulos de enxofre . composto de

colônias de Actinomyces . são característicos, sugerindo

fortemente o diagnóstico2.

Actinomicose deve ser tratada com curso

prolongado de antibióticos, sendo a penicilina a droga

de escolha. Outras opções incluem cloranfenicol,

tetraciclina, carbapenêmicos, eritromicina, clindamicina

ou cefalosporina2. Em casos mais avançados e

graves da doença, é necessário tratamento cirúrgico

com drenagem e retirada de abscesso, empiema e

tecido necrosado2. Habitualmente, não há necessidade

de tratamento das outras bactérias isoladas no material.

O prognóstico é bom, ao contrário daquele que se

observava na era pré-antibiótica.

Embora na literatura a maioria dos casos relatados

tenha o diagnóstico feito após realização de

procedimentos invasivos . que devem ser sempre

solicitados . , o caso apresentado mostra um

diagnóstico realizado com material obtido de maneira

não invasiva e barata, de acesso relativamente fácil no

sistema de saúde público e privado.

2.

Embora na actinomicose as lesões pulmonares

sejam geralmente circunscritas, há tendência a

progredir sem respeitar limites anatômicos de lobos.

Também, é bom lembrar, é uma das poucas doenças

que podem se propagar pelos três planos . pulmão,

pleura e parede4. Após iniciar com quadro de

pneumonia, a infecção pode evoluir para formação

de cavidade e provocar espessamento pleural e

empiema. Pode ocorrer invasão da parede torácica,

com erosão óssea e formação de fístula2. Essa tendência

à fistulização leva a uma das formas mais características,

quando o diagnóstico fica bastante sugerido,

especialmente se drenar pus com alguns grânulos. A

doença crônica pode levar a fibrose pulmonar e a

obstrução endobrônquica pode surgir devido a edema

ou formação de massa intraluminal.

Radiologicamente, os achados não são específicos,

podendo ser confundidos com tuberculose pulmonar,

pneumonia bacteriana e neoplasia. Entretanto, é

relativamente freqüente a apresentação da doença sob

a forma de massa pulmonar. A tomografia computadorizada

de tórax mostra-se superior à radiografia por

evidenciar anormalidades pleurais e parenquimatosas5.

Uma dos empecilhos no diagnóstico é a

dificuldade de isolamento da bactéria devido ao seu

crescimento lento e ao crescimento acelerado de outras

bactérias presentes no material de análise. A obtenção

de espécime para análise normalmente é feita por

métodos invasivos, como punção aspirativa,

broncofibroscopia e biópsia por toracotomia. Porém,

o achado de grânulos de enxofre . composto de

colônias de Actinomyces . são característicos, sugerindo

fortemente o diagnóstico2.

Actinomicose deve ser tratada com curso

prolongado de antibióticos, sendo a penicilina a droga

de escolha. Outras opções incluem cloranfenicol,

tetraciclina, carbapenêmicos, eritromicina, clindamicina

ou cefalosporina2. Em casos mais avançados e

graves da doença, é necessário tratamento cirúrgico

com drenagem e retirada de abscesso, empiema e

tecido necrosado2. Habitualmente, não há necessidade

de tratamento das outras bactérias isoladas no material.

O prognóstico é bom, ao contrário daquele que se

observava na era pré-antibiótica.

Embora na literatura a maioria dos casos relatados

tenha o diagnóstico feito após realização de

procedimentos invasivos . que devem ser sempre

solicitados . , o caso apresentado mostra um

diagnóstico realizado com material obtido de maneira

não invasiva e barata, de acesso relativamente fácil no

sistema de saúde público e privado.

4. Após iniciar com quadro de

pneumonia, a infecção pode evoluir para formação

de cavidade e provocar espessamento pleural e

empiema. Pode ocorrer invasão da parede torácica,

com erosão óssea e formação de fístula2. Essa tendência

à fistulização leva a uma das formas mais características,

quando o diagnóstico fica bastante sugerido,

especialmente se drenar pus com alguns grânulos. A

doença crônica pode levar a fibrose pulmonar e a

obstrução endobrônquica pode surgir devido a edema

ou formação de massa intraluminal.

Radiologicamente, os achados não são específicos,

podendo ser confundidos com tuberculose pulmonar,

pneumonia bacteriana e neoplasia. Entretanto, é

relativamente freqüente a apresentação da doença sob

a forma de massa pulmonar. A tomografia computadorizada

de tórax mostra-se superior à radiografia por

evidenciar anormalidades pleurais e parenquimatosas5.

Uma dos empecilhos no diagnóstico é a

dificuldade de isolamento da bactéria devido ao seu

crescimento lento e ao crescimento acelerado de outras

bactérias presentes no material de análise. A obtenção

de espécime para análise normalmente é feita por

métodos invasivos, como punção aspirativa,

broncofibroscopia e biópsia por toracotomia. Porém,

o achado de grânulos de enxofre . composto de

colônias de Actinomyces . são característicos, sugerindo

fortemente o diagnóstico2.

Actinomicose deve ser tratada com curso

prolongado de antibióticos, sendo a penicilina a droga

de escolha. Outras opções incluem cloranfenicol,

tetraciclina, carbapenêmicos, eritromicina, clindamicina

ou cefalosporina2. Em casos mais avançados e

graves da doença, é necessário tratamento cirúrgico

com drenagem e retirada de abscesso, empiema e

tecido necrosado2. Habitualmente, não há necessidade

de tratamento das outras bactérias isoladas no material.

O prognóstico é bom, ao contrário daquele que se

observava na era pré-antibiótica.

Embora na literatura a maioria dos casos relatados

tenha o diagnóstico feito após realização de

procedimentos invasivos . que devem ser sempre

solicitados . , o caso apresentado mostra um

diagnóstico realizado com material obtido de maneira

não invasiva e barata, de acesso relativamente fácil no

sistema de saúde público e privado.

2. Essa tendência

à fistulização leva a uma das formas mais características,

quando o diagnóstico fica bastante sugerido,

especialmente se drenar pus com alguns grânulos. A

doença crônica pode levar a fibrose pulmonar e a

obstrução endobrônquica pode surgir devido a edema

ou formação de massa intraluminal.

Radiologicamente, os achados não são específicos,

podendo ser confundidos com tuberculose pulmonar,

pneumonia bacteriana e neoplasia. Entretanto, é

relativamente freqüente a apresentação da doença sob

a forma de massa pulmonar. A tomografia computadorizada

de tórax mostra-se superior à radiografia por

evidenciar anormalidades pleurais e parenquimatosas5.

Uma dos empecilhos no diagnóstico é a

dificuldade de isolamento da bactéria devido ao seu

crescimento lento e ao crescimento acelerado de outras

bactérias presentes no material de análise. A obtenção

de espécime para análise normalmente é feita por

métodos invasivos, como punção aspirativa,

broncofibroscopia e biópsia por toracotomia. Porém,

o achado de grânulos de enxofre . composto de

colônias de Actinomyces . são característicos, sugerindo

fortemente o diagnóstico2.

Actinomicose deve ser tratada com curso

prolongado de antibióticos, sendo a penicilina a droga

de escolha. Outras opções incluem cloranfenicol,

tetraciclina, carbapenêmicos, eritromicina, clindamicina

ou cefalosporina2. Em casos mais avançados e

graves da doença, é necessário tratamento cirúrgico

com drenagem e retirada de abscesso, empiema e

tecido necrosado2. Habitualmente, não há necessidade

de tratamento das outras bactérias isoladas no material.

O prognóstico é bom, ao contrário daquele que se

observava na era pré-antibiótica.

Embora na literatura a maioria dos casos relatados

tenha o diagnóstico feito após realização de

procedimentos invasivos . que devem ser sempre

solicitados . , o caso apresentado mostra um

diagnóstico realizado com material obtido de maneira

não invasiva e barata, de acesso relativamente fácil no

sistema de saúde público e privado.

5.

Uma dos empecilhos no diagnóstico é a

dificuldade de isolamento da bactéria devido ao seu

crescimento lento e ao crescimento acelerado de outras

bactérias presentes no material de análise. A obtenção

de espécime para análise normalmente é feita por

métodos invasivos, como punção aspirativa,

broncofibroscopia e biópsia por toracotomia. Porém,

o achado de grânulos de enxofre . composto de

colônias de Actinomyces . são característicos, sugerindo

fortemente o diagnóstico2.

Actinomicose deve ser tratada com curso

prolongado de antibióticos, sendo a penicilina a droga

de escolha. Outras opções incluem cloranfenicol,

tetraciclina, carbapenêmicos, eritromicina, clindamicina

ou cefalosporina2. Em casos mais avançados e

graves da doença, é necessário tratamento cirúrgico

com drenagem e retirada de abscesso, empiema e

tecido necrosado2. Habitualmente, não há necessidade

de tratamento das outras bactérias isoladas no material.

O prognóstico é bom, ao contrário daquele que se

observava na era pré-antibiótica.

Embora na literatura a maioria dos casos relatados

tenha o diagnóstico feito após realização de

procedimentos invasivos . que devem ser sempre

solicitados . , o caso apresentado mostra um

diagnóstico realizado com material obtido de maneira

não invasiva e barata, de acesso relativamente fácil no

sistema de saúde público e privado.

Actinomyces . são característicos, sugerindo

fortemente o diagnóstico2.

Actinomicose deve ser tratada com curso

prolongado de antibióticos, sendo a penicilina a droga

de escolha. Outras opções incluem cloranfenicol,

tetraciclina, carbapenêmicos, eritromicina, clindamicina

ou cefalosporina2. Em casos mais avançados e

graves da doença, é necessário tratamento cirúrgico

com drenagem e retirada de abscesso, empiema e

tecido necrosado2. Habitualmente, não há necessidade

de tratamento das outras bactérias isoladas no material.

O prognóstico é bom, ao contrário daquele que se

observava na era pré-antibiótica.

Embora na literatura a maioria dos casos relatados

tenha o diagnóstico feito após realização de

procedimentos invasivos . que devem ser sempre

solicitados . , o caso apresentado mostra um

diagnóstico realizado com material obtido de maneira

não invasiva e barata, de acesso relativamente fácil no

sistema de saúde público e privado.

2.

Actinomicose deve ser tratada com curso

prolongado de antibióticos, sendo a penicilina a droga

de escolha. Outras opções incluem cloranfenicol,

tetraciclina, carbapenêmicos, eritromicina, clindamicina

ou cefalosporina2. Em casos mais avançados e

graves da doença, é necessário tratamento cirúrgico

com drenagem e retirada de abscesso, empiema e

tecido necrosado2. Habitualmente, não há necessidade

de tratamento das outras bactérias isoladas no material.

O prognóstico é bom, ao contrário daquele que se

observava na era pré-antibiótica.

Embora na literatura a maioria dos casos relatados

tenha o diagnóstico feito após realização de

procedimentos invasivos . que devem ser sempre

solicitados . , o caso apresentado mostra um

diagnóstico realizado com material obtido de maneira

não invasiva e barata, de acesso relativamente fácil no

sistema de saúde público e privado.

2. Em casos mais avançados e

graves da doença, é necessário tratamento cirúrgico

com drenagem e retirada de abscesso, empiema e

tecido necrosado2. Habitualmente, não há necessidade

de tratamento das outras bactérias isoladas no material.

O prognóstico é bom, ao contrário daquele que se

observava na era pré-antibiótica.

Embora na literatura a maioria dos casos relatados

tenha o diagnóstico feito após realização de

procedimentos invasivos . que devem ser sempre

solicitados . , o caso apresentado mostra um

diagnóstico realizado com material obtido de maneira

não invasiva e barata, de acesso relativamente fácil no

sistema de saúde público e privado.

2. Habitualmente, não há necessidade

de tratamento das outras bactérias isoladas no material.

O prognóstico é bom, ao contrário daquele que se

observava na era pré-antibiótica.

Embora na literatura a maioria dos casos relatados

tenha o diagnóstico feito após realização de

procedimentos invasivos . que devem ser sempre

solicitados . , o caso apresentado mostra um

diagnóstico realizado com material obtido de maneira

não invasiva e barata, de acesso relativamente fácil no

sistema de saúde público e privado.

Agradecimento

Nosso agradecimento à Simone Maia Evaristo

pela fotografia das lâminas, permitindo a apresentação

deste trabalho.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Russo TA. Actinomycosis. In: Harrison´s principles of internal

medicine. 15th ed. New York: Mc Graw Hill; 2001.

2. Suratt BT, Welsh CH. A 48-year-old smoker with cough and

weight loss. Chest 2000;118:239-41.

3. Fariña Gonzáles J, Rodríguez Costa J. Citopatologia

respiratoria y pleural. [s.l.]: Médica Panamericana; 1996.

4. Jansen JM, Maeda TY, Noronha Filho AJ, Lopes AJ, Capone

D, Siqueira HR et al. Prática pneumológica: 101 casos

selecionados do dia-a-dia. São Paulo . Rio de Janeiro .

Belo Horizonte: Atheneu; 1998. 608 p.

5. Sumoza D, Raad I, Douglas E. Differentiating thoracic

actinomycosis from lung cancer. Infect Med

2000;17(10):695-8. !

th ed. New York: Mc Graw Hill; 2001.

2. Suratt BT, Welsh CH. A 48-year-old smoker with cough and

weight loss. Chest 2000;118:239-41.

3. Fariña Gonzáles J, Rodríguez Costa J. Citopatologia

respiratoria y pleural. [s.l.]: Médica Panamericana; 1996.

4. Jansen JM, Maeda TY, Noronha Filho AJ, Lopes AJ, Capone

D, Siqueira HR et al. Prática pneumológica: 101 casos

selecionados do dia-a-dia. São Paulo . Rio de Janeiro .

Belo Horizonte: Atheneu; 1998. 608 p.

5. Sumoza D, Raad I, Douglas E. Differentiating thoracic

actinomycosis from lung cancer. Infect Med

2000;17(10):695-8. !

s.l.]: Médica Panamericana; 1996.

4. Jansen JM, Maeda TY, Noronha Filho AJ, Lopes AJ, Capone

D, Siqueira HR et al. Prática pneumológica: 101 casos

selecionados do dia-a-dia. São Paulo . Rio de Janeiro .

Belo Horizonte: Atheneu; 1998. 608 p.

5. Sumoza D, Raad I, Douglas E. Differentiating thoracic

actinomycosis from lung cancer. Infect Med

2000;17(10):695-8. !

!

ANA CRISTINA OLIVEIRA DE ALMEIDA
RJ - RIO DE JANEIRO

Indique este Artigo enviando o Link:
http://www.crbiodigital.com.br/portal?txt=3477313138


 retorna

 

  :: Pesquisa Artigos
contenha a palavra 
Regional 
Nome do(a) Biólogo(a) 


pesquisar



Copyright 2007  -   contatocrbiodigital@crbiodigital.com.br  -   privacidade