retorna
  :: Artigo selecionado
  A escassez de água
01/06/2009
Faz indagações sobre os problemas enfrentados pelo estado referentes a falta de chuvas em determinadas regiões(adaptado do original publicado no jornal diário popular de Pelotas, pelo mesmo autor, no dia 18/07/2006).

Área(s) de Atuação que o Presente Artigo trata
Biologia
Ecologia
Manejo e conservação
Meio ambiente
Gestão ambiental
Educação
Educação ambiental


Os alertas sobre uma crise mundial por influência da falta de água em algumas regiões do planeta vêm acontecendo desde o final do século passado. Mas é em um momento de escassez de água, como o que vive o nosso estado que isso fica mais evidente. Refletindo sobre o fato, faço algumas indagações e reflexões que contribuem para entender melhor o porquê desse problema que nos assombra. A água não seria a mesma desde a origem do planeta, sendo o seu volume total inalterável? Por que somente agora sentimos que essa quantidade não é suficiente para abastecer toda a população mundial? Mas quais os motivos que levariam esse recurso natural, até bem pouco tempo considerado infinito, a provocar uma crise mundial por sua falta? Para responder essas perguntas pretendo levantar alguns tópicos que venham a contribuir para melhor entender esse iminente problema.
O fato de apresentar um volume invariável deveria ter sido um alerta, pois a população humana vem crescendo de forma geométrica a cada década, o que representa uma demanda por água hoje muito maior do que há 50 anos, por exemplo. Associados a esse aumento da população temos todos os processos industriais, essenciais para dar origem aos bens de consumo tão indispensáveis à vida moderna, que necessitam de água para ocorrer. Grande parte da água usada nestas atividades não é reaproveitada, forçando ainda mais a exploração desse recurso natural indispensável à manutenção da vida. Essa pressão cada vez maior em algumas regiões com alta concentração demográfica mostra que o bem natural, até bem pouco tempo considerado inesgotável, encontra-se em potencial escassez.
Numa visão ambiental, a cobertura vegetal - principalmente as florestas - responsável pela maior parte da liberação do vapor de água na atmosfera, vem sendo suprimida por atividades que visam à exploração da madeira, à abertura de novas áreas para utilização pelas atividades agropecuárias, para expansão das cidades etc. Perdendo as formações florestais naturais, os processos de retenção de água no solo e sua gradual liberação para a atmosfera e para os sistemas hídricos, são prejudicados. Temos com isso, um rápido escoamento das águas para rios e sistemas de drenagem, levando-as para regiões oceânicas de forma acelerada e diminuindo assim concentração de umidade sobre as superfícies continentais.
Temos ainda as influências do efeito estufa, que de alguma maneira vem interferindo no ritmo das chuvas e do clima em uma escala global. Gerando períodos de prolongada estiagem em alguns locais e grandes precipitações em outros. São observadas temperaturas extremas nos verões de alguns lugares, invernos mais amenos em outros e vice-versa. O aquecimento global pode atuar como um potencializador dos fenômenos climáticos. As mudanças climáticas são respostas às interferências negativas que o ambiente vem sofrendo e podem vir a dificultar a manutenção da vida na Terra.
A soma destes fatores provoca grande interferência no ciclo da água de algumas regiões e até mesmo do planeta, contribuindo com o quadro de desequilíbrio hídrico que a Terra vem passando. Somos, portanto, grandes, senão os maiores responsáveis pela alteração na distribuição da água no globo e suas conseqüências. Devemos mudar alguns hábitos, rever paradigmas e compreender, que no ritmo em que estamos explorando o nosso planeta, deixaremos uma herança negativa para as gerações futuras.


Indique este Artigo enviando o Link:
http://www.crbiodigital.com.br/portal?txt=337736


 retorna

 

  :: Pesquisa Artigos
contenha a palavra 
Regional 
Nome do(a) Biólogo(a) 


pesquisar



Copyright 2007  -   contatocrbiodigital@crbiodigital.com.br  -   privacidade