retorna
  :: Artigo selecionado
  EVOLUÇÃO TEMPORAL DE FRAGMENTOS DE VEGETAÇÃO NATIVA NO MUNICÍPIO DE AGUDOS/SP, UTILIZANDO FOTOGRAFIA AÉREA
11/04/2012

DEBORA ANDREIA NEVES
MG - BARAO DE COCAIS
Levantamento florístico, levantamento fitossociológico, fitofisionomia, cerrado. - DÉBORA ANDRÉIA NEVES, ZACARIAS XAVIER DE BARROS, VERA LEX ENGEL, Revista Energia na Agricultura, Botucatu, vol. 25, n.2, 2010, p.20-31.

Área(s) de Atuação que o Presente Artigo trata
Biologia
Meio Ambiente e Biodiversidade
Inventário, Manejo e Conservação da Vegetação e da Flora


A união dos processos de mapeamento aéreo e inventário florestal permitem uma análise crítica, precisa e detalhada com conclusão ágil sobre uma floresta que se deseja estudar. Seria possível saber se a área estudada se trata de um cerrado no seu sentido amplo? Este estudo tem como objetivos avaliar a evolução temporal utilizando fotografias aéreas; avaliar a ocorrência de espécies nativas lenhosas e não lenhosas utilizando levantamento florístico e fitossociológicos e, avaliar o aspecto geral da regeneração natural destes fragmentos. As duas áreas de estudo reunidas possuem aproximadamente 110 ha, parte de uma fazenda de produção de madeira localizada no município de Agudos, SP. Para elaborar a evolução temporal foram utilizadas fotografias aéreas dos anos de 1962, 1972, 1979, 2000 e 2006. E, para se conhecer a estrutura da floresta realizou-se um inventário florístico e fitossociológico. Foram demarcadas classes fitofisionômicas nos fragmentos através de uma análise aerofotogramétrica. Foram calculadas densidade, dominância e freqüência (absolutas e relativas), índice de valor de importância, índice de valor de cobertura e os índices de diversidade de Shannon, Simpson e Eqüidade. A evolução temporal mostrou as modificações sofridas pelos fragmentos no decorrer dos anos e caracterizou as áreas segundo as seis classes fitofisionômicas estipuladas. Os levantamentos florístico e fitossociológico apresentaram a condição atual dos fragmentos, ou seja, transição cerrado e floresta estacional semidecidual. Apesar da ação antrópica na região, os fragmentos se regeneram e apresentam características de recuperação. O uso de mapeamento aerofotogramétrico em conjunto com técnicas fitossociológicas proporcionou uma análise fisionômica da floresta e das áreas circunvizinhas, identificando a interação que existe entre ambas. Esta técnica é recomendada para o estudo de fragmentos florestais nativos.


DEBORA ANDREIA NEVES
MG - BARAO DE COCAIS

Indique este Artigo enviando o Link:
http://www.crbiodigital.com.br/portal?txt=3177323630


 retorna

 

  :: Pesquisa Artigos
contenha a palavra 
Regional 
Nome do(a) Biólogo(a) 


pesquisar



Copyright 2007  -   contatocrbiodigital@crbiodigital.com.br  -   privacidade