retorna
  :: Notícia selecionada
10/02/2017  Cientistas encontram jiboia mais rara do mundo na Mata Atlântica
RADAMES ABRANTES DE SOUSA ARAUJO
SP - SAO BERNARDO DO CAMPO

Pesquisadores do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo e do Instituto Butantan encontraram no Vale do Ribeira uma espécie de cobra raríssima, que nunca foi observada na natureza e há mais de 60 anos era procurada intensamente por cientistas no interior da Mata Atlântica paulista.
Considerada a jiboia mais rara do mundo, a Corallus cropanii foi descrita em 1953 pelo herpetólogo Alphonse Richard Hoge, do Instituto Butantan, com base em um único exemplar, que foi trazido vivo até ele por um morador do município de Miracatu. Desde então, outros cinco exemplares chegaram ao instituto, mas todos eles já mortos — um deles, inclusive, registrado apenas por fotografia; e outro que já estava até enterrado, depois de morto por uma senhora.
Muitos pesquisadores vasculharam as matas do Vale do Ribeira atrás da espécie nessas últimas décadas, mas nunca a encontraram. Como nunca foi observada na natureza, não se sabe praticamente nada sobre o seu comportamento — por exemplo, do que se alimenta, ou se é um bicho predominantemente terrestre, aquático ou arborícola. Sabe-se pela sua anatomia que ela pertence à família das jiboias (Boidae), mas nesse grupo há desde pequenas serpentes que comem pássaros em árvores, como a cobra-veadeira, até gigantes aquáticos que comem capivaras, como a sucuri.
Agora, esse grande mistério da herpetologia pode estar chegando ao fim, graças a uma parceria entre os pesquisadores e moradores do Guapiruvu, um bairro rural do município de Sete Barras, no coração do Vale do Ribeira. Por meio de um trabalho de educação ambiental, iniciado em outubro, os cientistas ensinaram os moradores a identificar as cobras da região — diferenciando as venenosas das inofensivas, por exemplo — e a reconhecer a Corallus cropanii, que foi batizada de “Jiboia do Ribeira”.
Cartazes e panfletos distribuídos pela comunidade davam informações sobre a espécie e pediam para entrar em contato com o biólogo Bruno Rocha, caso o bicho aparecesse por ali. E foi exatamente o que aconteceu; muito mais rápido até do que os mais otimistas dos cientistas imaginavam.


RADAMES ABRANTES DE SOUSA ARAUJO
SP - SAO BERNARDO DO CAMPO

Indique esta Notícia enviando o Link:
http://www.crbiodigital.com.br/portal?idNtc=3777393531


 retorna


 :: Pesquisa Noticias
contenha a palavra 

pesquisar
opções
avançada



Copyright 2007  -   contatocrbiodigital@crbiodigital.com.br  -   privacidade