retorna
  :: Notícia selecionada
15/05/2012  CRESCIMENTO RACIONAL PRESERVA O CIDADÃO, A ECONOMIA E O MEIO AMBIENTE
LUCIANA PALLONE HESPANHOLO
SP - ARARAQUARA

CÓDIGO FLORESTAL

Tenho lido textos, entrevistas, visto vídeos, campanhas, protestos, sem contar as pressões que a Presidente Dilma Russef tem sofrido, diante de vasto público e mídia, para vetar o Novo Código Florestal.
Toda esta energia contra o texto atual do Código Florestal me assustou e me remeteu a reflexões.
Sou Bióloga de formação e mesmo assim não consigo me enxergar em tão impensadas colocações referentes a abolir o Novo Código Florestal. Acredito que o texto precisa sim de alguns ajustes e que devido ao avanço em que se encontra o tramite de votação não acontecerão agora.
Minhas reflexões tentarão abordar os dois lados e buscar um equilíbrio para o país. Não acredito que o radicalismo contrario ao que está praticamente certo, que é o texto atual do Código Florestal, irá nos ajudar.
As áreas verdes de nosso país (Áreas de Preservação Permanente e Reservas Legais) não irão diminuir. O Código Florestal não permite que a partir de sua aprovação continuemos desmatando, mesmo porque isso não é necessário, visto a extensão de áreas já desmatadas para o crescimento agrícola. Acredito que se tudo acontecer como diz no código ficaremos em situação ambiental melhor do que nos encontramos hoje.
Infelizmente o que vemos são debates de mão única, nos quais existem apenas representantes que acreditam que o Código Florestal é um vilão. Porque não foram convidados os representantes de setores que acreditam que, apesar de suas falhas, o Código Florestal representa um avanço para o país?
Acredito ser necessário conhecer sempre os dois lados antes de julgar ou atacar. A produtividade no Brasil tem um crescimento considerável de 4% ao ano e é um equívoco acreditar que o desmatamento é responsável por isso. Milhões de hectares são poupados devido à ciência. O verdadeiro responsável por esse crescimento é o produtor rural.
É necessário sair da comodidade do ar condicionado e conhecer a realidade dos produtores rurais antes de se posicionar contra ou a favor de qualquer situação. Será que os que estão contra o Novo Código Florestal sabem que os alimentos que compõe a farta mesa que os cercam todos os dias tem origem em 100% na agricultura e, que se a real situação mudar, talvez não consigam mais comer tudo o que comem hoje e que outros provavelmente passarão fome, pois o valor do alimento subirá? Sem contar que ninguém sabe o que acontecerá com os produtores rurais que dependem de suas lavouras para sobreviver. Estes lutam diariamente contra tributos, taxas e logísticas, mas que conseguem dar a você um alimento com preço barato e de boa qualidade. Portanto acredito que associar a imagem do produtor rural que enfrenta a dura maratona do dia a dia com a cruel e irreal imagem devastadora do desmatamento não é justo.
Não sou a favor do Código na integra, mas sou menos a favor de deixar pessoas que dependem da única coisa que tem na vida para sobreviver, que são suas lavouras, e que nunca foram orientadas a como lidar com suas terras ou que muitas vezes foram incentivadas pelo próprio governo a desmatar para produzir. Não sou a favor de deixar essas pessoas às minguas, a morrerem de fome, a não terem mais onde morar, a não terem mais como sustentar seus filhos, a pagarem multas em valores irreais que não sabem nem quanto é de fato, não sabem de onde vão tirar tanto dinheiro, pois nunca viram tamanha quantia. Isso eu não acho justo.
Temos que resolver sim os problemas ambientais mas, espécies já foram extintas, matas já foram suprimidas por ações impensadas e repentinas do ser humano que só pensava em desenvolvimento e ninguém chorou por isso. Agora, pelo fato de o Código Florestal estar em alta e estar ocupando espaço na mídia, todos querem, mais uma vez de forma impensada, tomar atitudes radicais como que se o problema gerado através de décadas fossem ser resolvidos em semanas. Isso, a meu ver, se reflete em necessidade de aparecer. Não podemos repetir o erro e agirmos de maneira insensível e não podemos tomar atitudes e decisões em situações que conhecemos um lado só. Devemos analisar, pensar nas consequências e pensar no meio ambiente sem excluir o ser humano que é parte dele. Antigamente pensou-se apenas no ser humano e no progresso indiscriminado. Agora estão querendo pensar exclusivamente no meio ambiente, na preservação e esquecer as necessidades humanas. Desse jeito nunca seremos sustentáveis.
Devido a minha formação o que mais quero é o meio ambiente preservado, mas não conseguiremos isso de forma radical. O ser humano é parte integrante do meio ambiente e temos que pensar nele também. Temos que estudar a forma mais justa para cuidarmos de todos, para sermos realmente sustentáveis. Caso contrario erraremos novamente.
Acredito que vetar o Código Florestal agora traria consequências negativas ao país, pois afetaria a economia (impostos, taxas, exportações,...), os preços dos alimentos aumentariam, pessoas ficariam em situação de miséria, entre outras.

Biol. Ma. Luciana Pallone Hespanholo da Silva

LUCIANA PALLONE HESPANHOLO
SP - ARARAQUARA

Indique esta Notícia enviando o Link:
http://www.crbiodigital.com.br/portal?idNtc=3577363330


 retorna


 :: Pesquisa Noticias
contenha a palavra 

pesquisar
opções
avançada



Copyright 2007  -   contatocrbiodigital@crbiodigital.com.br  -   privacidade