retorna
  :: Notícia selecionada
09/02/2011  Cientistas criam veias a partir de células musculares.
THIAGO PAIVA DE PAULA
MT - CUIABA

Um estudo com babuínos e cães publicado no “Science Translational Medicine” sugere que as veias poderiam ser armazenadas por até um ano e utilizadas por qualquer paciente, sem risco de rejeição.

Vasos sanguíneos já podem ser produzidos a partir de células do próprio paciente, mas isso pode levar diversos meses.

Nem sempre é possível utilizar os próprios vasos sanguíneos do paciente nas cirurgias e diversos grupos de pesquisa estão tentando criar alternativas artificiais.

Pesquisadores da empresa de biotecnologia Humacyte, da Escola de Medicina Brody da East Carolina University e da Duke University Medical Centre, na Carolina do Norte, construíram uma veia composta por células do músculo liso dos vasos sanguíneos originais.

Quando as células crescem, elas constroem seu próprio tecido de colágeno e causam a ruptura da estrutura original.

Os pesquisadores usaram detergente para matar as células, permitindo que o tubo de colágeno restante pudesse ser implantado em qualquer pessoa, sem desencadear uma reação imunológica.

Os tubos podem ser armazenados por, no mínimo, 12 meses. Quando eles foram testados em babuínos, permitiram o fluxo do sangue normalmente depois de seis meses.

A combinação de armazenamento e a possibilidade de implantar os vasos sanguíneos em qualquer paciente deixaram os pesquisadores animados.

“Os doentes não terão período de espera para a produção do enxerto, pois eles já foram criados e armazenados, ao contrário daqueles feitos para cada paciente, que envolvem um longo tempo de espera”, disseram.

Os cientistas esperam começar os testes em humanos no ano que vem.

(Fonte: Folha.com)

THIAGO PAIVA DE PAULA
MT - CUIABA

Indique esta Notícia enviando o Link:
http://www.crbiodigital.com.br/portal?idNtc=3277323739


 retorna


 :: Pesquisa Noticias
contenha a palavra 

pesquisar
opções
avançada



Copyright 2007  -   contatocrbiodigital@crbiodigital.com.br  -   privacidade